terça-feira, 27 de setembro de 2016

De gueto e de favela

Campanhas políticas, todas elas, não primam pela correção nem pela verdade. Quanto mais fantasia melhor, na tarefa de vender ilusões, e oferecer um mundo melhor. Assim não causa admiração que determinado candidato, branco e rico, contrate pagodeiro, sem noção, para cantar jingle louvando o contratante e afirmando que  o “gueto cola com ele, fecha com ele”, a exemplo da favela que também “cola com ele, fecha com ele” entre outras baboseiras. Pode até dar resultado a missa encomendada, mas soa de uma falsidade de fazer corar o padre.

Foi preciso que outro candidato, este sim com autoridade para falar no gueto e na favela já que é de lá e lá vive, para desmascarar a farsa do contratado e seu candidato “mauricinho”. Exigir politização a pagodeiro é um pouco demais, já que a única lógica que os move é a conta bancária, a vida branca com que sonhou, venham os depósitos de onde vierem. 

A ser verdade, a afirmação de que o gueto e a favela colam com “ele”, quem sabe agora, reeleito, o candidato urbanize as encostas que sustentam seus barracos com os mesmos mármores utilizados nas reformas da Barra e do Rio Vermelho.  

Foto: Ilustrativa

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Feliz aniversário

Hoje Luís Fernando Veríssimo completa 80 anos e em sua homenagem, aliás, os homenageados somo nós, seus leitores e admiradores, algumas frases extraídas de seu livro mais novo livro, Veríssimas, a ser lançado pela editora Objetiva:

"Minha relação com a morte é esquecer que ele existe. E espero que ela faça o mesmo comigo

Todo mundo é honrado até prova em contrário, e no Brasil nunca aparece prova em contrário

Tirar a própria fotografia é a terceira coisa mais íntima que uma pessoa pode fazer com ela mesma, depois da masturbação e do suicídio.

Não sei para onde caminha a Humanidade. Mas, quando souber, vou para o outro lado.

A ressaca de licor de ovos é um dos poucos casos em que a lei brasileira permite a eutanásia.

Temos que confiar no amanhã. A não ser que descubram alguma coisa contra ele durante a noite.

Se o mundo está correndo para o abismo, chegue para o lado e deixe ele passar."

Foto: Luis Fernando Veríssimo

É a crise!

O outrora clube chique do Rio, onde só bacanas eram sócios e funcionava como uma espécie de termômetro do nível social do figurão, o Itanhangá Golf Club, está prestes a fechar a sua academia de ginástica.

A razão não é a falta de alunos para colocar o corpo em forma, mas a inadimplência dos sócios que está inviabilizando algumas de suas atividades sociais. É a crise! 

Foto: Ilustrativa

Parceiros,"ma non tropo"

O apresentador Fausto Silva, o Faustão, criticou durante seu programa ao vivo na TV Globo neste domingo, o projeto de reforma do ensino médio anunciado pelo governo Michel Temer-PMDB na semana passada.

"A educação física os caras iam tirar. Essa porra desse governo nem começou, não sabe se comunicar e já faz a reforma sem consultar ninguém".

"Então, o país que mais precisa de educação faz uma reforma com cinco gatos pingados que não entendem porra nenhuma, que não consultam ninguém e aí, de repente, tiram a educação física, que é fundamental na formação do cidadão", disse Faustão, para aplausos dos presentes no estúdio.

Fonte: Folha SP

domingo, 25 de setembro de 2016

Eles disseram...

Eu nunca me coloquei como uma pessoa de esquerda – Marta Suplicy – Senadora  - em entrevista sobre sua candidatura a prefeita de São Paulo

Uma nação com muros só aprisiona a si mesma. Rejeitar a integração global não é uma reposta – Barack Obama – Presidente dos EUA – em resposta a Donald Trump, candidato republicano nas eleições deste ano.

Eu vi o último olhar dele – Camila Pitanga – atriz – sobre o afogamento de seu colega Domingos Montagner

Hoje no mundo são feitos uns 20 filmes por dia. Todos uma merda! Hoje se faz filmes até com o celular – Gérard Depradieu – ator francês – sobre a produção cinematográfica atual.

Há uma guerra a menos no planeta – Juan Manoel Santos – Presidente da Colômbia – em discurso na ONU ao fechar acordo com a organização FARC

Foto: Camila Pitanga

No palco e no trio

Todos nós, eternos fãs dos Novos Baianos ou dos carnavais de Salvador, nos anos 70, somos seguidores de Moraes Moreira onde quer que ele se apresente. Como ontem na Caixa Cultural, dentro do projeto Palco Brasil, ele arrastou uma legião de cabeleiras brancas além de muitos jovens descobridores recentes dos Novos Baianos para entoarmos em uníssono seus incontáveis sucessos, no palco ou em cima do trio.

Saudosistas, talvez, mas prefiro achar mesmo admiradores da boa música, dançante, festiva, como serão sempre Chão da Praça, Festa do interior, Pombo correio, Preta pretinha, Chame gente, Coisa acesa, Eu sou o carnaval e mais, muito mais.

Importou pouco ou nada a sonoridade crua, apenas com o seu violão e uma percussão ritmada por palmas da plateia. Era a festa. No bis final, pensando nas dificuldades do nosso país, cantou o Hino Nacional. E claro, houve “Fora temer!” 

Foto: Moraes Moreira

Ê Paraná!

A primeira vez que eu tentei carregar um pobre pra dentro do meu carro, eu vomitei por causa do cheiro.


Frase: Rafael Grecca, candidato a Prefeito de Curitiba-PR, líder das pesquisas de intenção de votos